Sonya Azevedo
Essência em versos e prosas
Capa Textos Áudios E-books Perfil Livro de Visitas Contato
Textos

 

Meus Blogs

Jacintos da Alma

Nascentes de Luz

 

Agradeço aos amigos que aqui deixam suas interações.

 

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

 

Kid Versos

 

BOM GOSTO

 

Os vícios do bom gosto são pra poucos

e cada vez que vens sinto o pulsar

desse teu coração, a trotes loucos,

e os teus sentires pondo a cavalgar.

 

Os ouvidos da lua não são moucos

têm o poder de ouvir o teu pensar

melhor que teus apelos já tão roucos

por uma inspiração bem singular.

 

Confesse em teu silêncio que sou  eu

razão do teu gostar e eu te prometo

que ela vai querer nos apadrinhar.

 

Estarei de azul, talvez de preto,

catorze versos para declamar

amor a ti, amante do soneto.

 

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

 

Jacó Filho

 

DECISÃO LEBERTADORA

 

Sinto saudades dos ternos abraços,

Tal e qual tua regras me aborrece,

Tenho amor por ti, mas cada passo,

Que dou, me vigias e me entristece..

Assim sendo vou embora,

Já que tanto me ignoras,

Provocando o cansaço,

Que a cada dia só cresce.

Sinto saudades dos ternos abraços,

Tal e qual, tua regras me aborrece...

 

(Redonde dual métrica)

 

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

 

Esther Lessa

 

TEU AMOR SEI QUE É INCONDICIONAL

RECLAMAS MAS AS REGRAS SEGUE-AS TODAS

POIS COM ELAS O QUE QUERES ACOMODAS

A TUA SAPIÊNCIA É  SEM IGUAL

 

C'OS VERSOS QUE ME DÁS, DOCE CANAL!

A MIM, MUITO AO CONTRÁRIO, NÃO INCOMODAS

NAS VIAS QUE PERCORRES,TU'ALMA RODA

  ME ENCANTAS COM FULGOR FENOMENAL!

 

APRECIO TUA FIDELIDADE

QUALQUER TEMA QUE TECES, ENOBRECE

AS LINHAS COMO PRECIOSA JADE 

 

NA TUA VERDADE O CANSAÇO ARREFECE

EM ALGUMA HORA CHORA A SAUDADE

MAS O AMOR POR TEU SONETO CONFESSE!

 

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

 

Eligio Moura

 

És lindo mas seduzes a mim também

Teus  padrões por certo  são duros e belos

E me fazem cuidar de você bem

Também escrevo atento e se erro cancelo

 

Escrevo outros estilos sem que ninguém

Me peça, impeça ou me amofine o desvelo

Mas sempre neste grande, intenso vai-e-vem

Eu procuro por ti e então volto a escrevê-lo

 

Há catorze versos e nele me integro

Fico mais a vontade  e posso dizer tudo...

E nele me expresso e neles me entrego

 

Escrevo com amor cada verso querido

E mais escrevo mais amo o seu compasso

És  o soneto amado, estilo preferido...

 

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

 

 

Poeta Olavo

 

Pode surgir o que for

Mas palavras eu não meço

Para conquistar o seu amor

Este sentimento eu confesso

 

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

 

Solano Brum

 

O Solitário

Solano Brum

 

Pois, eu procuro por ti nos areais

Que beiram as praias que tu pisas;

Pergunto sem cessar aos coquerais;

Do verde mar, suas suaves brisas!

 

Fico triste por nunca te encontrar;

Assism, aos pássaros também indago!

No meu sonho, tu estás a me olhar,

Depois do beijo, do abraço, do afago!

 

A tarde turva-se; a noite chega;

A lua tem sua louca trajetória

Na atalaia vejo o dia amanhecer!

 

Minha alma, à aflição se entrega;

O livro aberto é a mesma história:

Tanto pergunto e não vens me ver!

 

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

 

Hluna

 

Busco em ti, Senhor da paz e do amor,

O conforto para o coração sofrido,

Que não sabe que fazer com tanta  dor,

Me pergunto: será que hei merecido?

 

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

 

Lord dos Acrósticos

 

 EU CONFESSO

(Décima em Cordel)

 

Eu confesso que sempre teve amor 

O meu desejo era caminhar contigo 

Hoje e agora te olvidar não consigo 

Ouça mesmo distante o meu clamor 

Eu confesso que caminho angustiado 

Você é a culpada, eu vivo perturbado 

A minha felicidade também é a sua 

Eu sou o seu sol, você é a minha lua 

Volta, nosso amor, já foi abençoado... 

 

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

 

Um Piauiense Armengador de Versos

 

O Soneto

 

Faça esse caruru com mais cuidado,

Se queres degustá-lo com sabor,

Não coloques pimenta, por favor,

Evitando ficar desonerado.

 

A cozinha nos é lugar sagrado,

Onde tudo se faz com zelo, amor,

Disciplina, carinho e destemor,

Para o quitute não ficar salgado.

 

Assim, é a bela obra de Petrarca,

Não se meta ninguém fazer fuzarca,

Reduzindo a escultura em esqueleto...

 

Quão se faz bela a rima e simetria,

mesmo no contraponto há harmonia,

Quando não se adultera o Soneto.

                                   

Aracaju-Sergipe, 30/08/202

 

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

 

 

Sonya Azevedo
Enviado por Sonya Azevedo em 01/08/2022
Alterado em 02/09/2022
Copyright © 2022. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Comentários